terça-feira, 16 de maio de 2017

TRISTEZA



Eu vivo a amar e não me esqueço
dos sonhos que embalei no nascimento,
esperando toda a vida ao momento
em que encontre o olhar de meu apreço.

E a vida segue sempre em recomeço
das quedas já sentidas em advento,
num destino sombrio e agourento
sendo a cova o esperado endereço.

Sopro ao vento: “Onde está o meu amar?”
Peço à brisa o devolver de meu sonhar,
mas o silêncio é a música constante.

Ajoelho em prece na dor d `meu penar,
suplico aos céus o brilho do luar,

mas o sonho é destruído num instante.

Soneto de Della Coelho
Imagem: google.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário